7.14.2007

Resumo Geral do LFT (encontro lésbico de primavera)


Publicado na Zona Livre numero 58.
A Zona Livre é o orgao de comunicacao do Clube Safo, grupo de defesa dos direitos das lésbicas.

Tenciono em breve escrever um artigo mais aprofundado sobre a workshop sobre ciumes e compersion (" a minha namorada beija outra e eu fico contente com isso") que é mais em in-tópico em relacao a este blog. O que está abaixo é apenas um resumo geral, de interesse para acomunidade GLBT, activista ou nao.

..............................................................................................................................................................



O LFT (Lesben FruhlingTreffen, ou Encontro Lésbico de Primavera) teve lugar a 26-28 Maio de 2007 em Marburg, Alemanha.

Achei que poderia ser de interesse para a nossa comunidade escrever um pequeno resumo e partilhar convosco o que vi num encontro que reuniu algumas centenas se nao mais de um milhar de lésbicas. Este encontro é destinado á comunidade lésbica de língua alemã, embora nao seja fechado á participação de lésbicas de outras línguas. Nesse caso, tradução simultânea é proporcionada. Mulheres bisexuais e lésbicas transgénero sao explicitamente benvindas a participar neste encontro.

O LFT tem como conceito base ser um ponto de encontro e partilha entre lésbicas. É uma plataforma para mostrar, comunicar, perguntar, responder, contar, ver, ouvir, sentir, trocar experiências. Sendo assim, é um encontro tanto mais rico quanto a diversidade de quem o visita. Por isso é um evento carregado de consciência e solidariedade sociais: não faz sentido que alguém deixe de vir devido a limitações físicas, cognitivas (por ex. lésbicas portadoras de deficiência) ou financeiras.

A organisação prestou especial atençao para que nao só o campus do evento mas também todos os hoteis, acessos e transportes etc. nao oferecessem dificuldades a lésbicas com mobilidade reduzida. Especialmente as utilisadoras de cadeiras de rodas puderam contar com a ajuda de assistentes (voluntárias). Tradutoras em língua gestual alema para surdas (DGS) estiveram presentes em todas apresentações e workshops. Os programas foram imprimidos em paralelo em versões em Braille e em letras grandes.

Igualmente de acordo com a filosofia de facilitar o acesso a todas, o preco de entrada a pagar por cada lésbica foi calculado (voluntariamente, pela própria, contando com uma eventual honestidade natural de todas as lésbicas) em função do seu ordenado líquido, variando entre 10 e 130Eu. Independentemente do escalão pago, toda a lésbica visitante do LFT teve de fazer duas horas de trabalho comunitário, a escolher e a discutir com a organisação.

A organisação teve a atenção especial de organisar varios tipos de possibilidades de dormida, entre as quais um leque de pensões e hoteis, e também a possibilidade de pernoitar num ginásio ou em quartos privados oferecidos gentilmente por privadas ("bolsa de camas"). Muitas acabaram por escolher o ginásio por não quererem dispensar a experiência de grupo, com todo o empowerment que vem associado. Toda a comida vendida no recinto era de origem "comércio justo", e haviam sempre alternativas vegetarianas ou vegan.

Um encontro destes geralmente nao deixa passar a oportunidade fantastica, proporcionada pela presenca de tantas lésbicas politicamente interessadas, de organisar uma manifestacao. A manifestacao decorreu sob o tema „uma sociedade mais justa“ incluindo pessoas com deficiencia em todos os sectores desde o primeiro minuto e nao só quando ha tempo sobejante ou dinheiro, e por uma vivencia mais socialmente responsavel, quer em geral quer para as mulheres e lesbicas em particiular. Tendo em conta que Marburg tem 70.000 habitantes, e que a manifestaco cerca de 1000 pessoas, imaginem o impacto e a confrontacao.

Entre os varios pontos do programa, lembro por ordem arbirtrária a feira da ladra, a exposicao de arte lésbica, as muitas workshops, as noites de discoteca, e os concertos.
Todas as noites houve vários tipos de programa, desde noites de discoteca até tertúlias em cafés ou concertos por artistas lésbicos. Houve inclusivamente uma noite Open Mic para novos talentos com desejo e coragem de mostrar o seu trabalho. Algo que achei importante foi a visibilidade dada a artesãs ou lojas lésbicas (ex. a Tikala, loja de música online). Gostava também de realcar as workshops pois na minha opinião acabam por ser o prato forte de tal encontro, em que se pode aprender e discutir muito acerca de um tema, geralmente apresentado e moderado por uma especialista.

Algums temas das workshops, selecionados ao acaso (eram muitos!) incluiram: "Tu ressonas!", "Chi-Gong", "Berimbau, modo de emprego", " A farmácia caseira", "Massagem de costas e pescoço", "Anarcofeminismo", "Crítica á situação social de migrantes em Espanha", "Jovens lésbicas", "Partilha entre gerações", "Mulheres e Lésbicas na India", "Controlar o caos interno", " Bolsa de contactos", "Como preparar uma manifestação","Projecto lésbica e terceira idade: uma alternativa aos lares (SAFIA)", " Como alimentar se de ervas daninhas (survival)", "Artes circences", " Didgeridoo", "Divindades femininas", " Teatro de improvisacao, como começar", "Tango", "Parceiras de lésbicas com deficiência", "Que fazer com o poder", "Lésbicas e budismo", "A bíblia traduzida em linguagem feminista"

Acabei por fazer, por nenhuma razão especial: "Círculo de tambores", "Comunicação sem violência" e "Apresentação de brinquedos sexuais". Fiz por razões muito especiais a workshop "A minha amada beija outra mulher e eu fico contente com isso" uma vez que ajudei a preparar a workshop e por o tema me dizer imenso respeito e "Como escrever uma procuracao para TODAS as eventualidades" pelas possibildades que oferece. Pela sua pertinência, gostaria de escrever, noutra oportunidade, um resumo desta ultima, pois é um tema cujo conhecimento permite, além de compensar a actual ausência da extensão da lei do casamento ás pessoas do mesmo sexo, ir mais além e prever mais possibilidades. Para isso gostava que, se alguém se debruçou sobre este tema no contexto da lei portuguesa, que entrasse em contacto comigo.

O encontro acabou com um plenário que contou com a crítica (feita ao vivo e sem censura) da organisação, mas que se saldou positivamente (sem surpresas) e se transformou em louvor quase unânime da organisação. No fim passou-se o testemunho á próxima organisação (Dresden 2008).

Voltei para casa cansadíssima (dormi no tal ginásio, com as mencionadas lésbicas que ressonam abundantemente incluidas no programa), mas com a sensação não só de ter aprendido muita coisa acerca de alguns temas, mas também confortada por ter visto e convivido com tantas mulheres com experiências semelhantes á minha, mas no entanto tão diversas. Este último efeito talvez acabe por ser o mais importante. Encerro este texto fazendo votos para que mais mulheres queer portuguesas um dia tambem queiram e possam se organisar assim, e que queiram partilhar activamente.


mais info (infelizmente em alemao):
http://www.lesbenfruehling.de/marburg2007/html/faq.html

3 comments:

  1. "haviam sempre alternativas vegetarianas ou vegan" - giro!

    "Anarcofeminismo" - ainda mais! ;)

    Fiquei com inveja da Alemanha. Pena que eventos desses não aconteçam por cá, e provavelmente não venham a acontecer tão cedo. Ou será que alguém não quererá começar algo do género?...

    ReplyDelete
  2. likeabridge4.7.07

    Essa coisa das procurações tem muito interesse e pôs-me a pensar o que diria a nova constituição europeia sobre o assunto. Infelizmente, no capítulo da não discriminação, só lá vejo referências à não discriminação em função do género: «é proibida toda e qualquer discriminação em razão da nacionalidade.» (art.º I - 4.º)

    ReplyDelete
  3. Isso é que é um grande evento feminino.

    ReplyDelete