11.01.2006

Alternativas á monogamia, I: Cuddling Parties


Queria falar de uma alternativa não literalmente poli à monogamia. Há mais a caminho.

Soube disto numa apresentação/discussão sobre poliamor e alternativas à monogamia que fui apoiar. As cuddling parties, seu conceito e modus operandi, foram apresentados como uma das alternativas (menos conhecidas) à monogamia standard. Em seguida foi apresentada a agenda local de cuddling parties.

O link que vos deixo é o artigo da wikipedia anglófona. Deixo aos leitores e leitoras interessados o trabalho de casa de descobrir a agenda de cuddling parties para o local onde vivem (ou caso esta agenda ainda não exista, sugiro a tarefa sem dúvida ainda mais interessante de as organizar ;-))

Resumindo o modo de funcionamento:
Imaginem uma festa em que o fio condutor é poder facilmente, sem obrigatoriedade, conhecer pessoas e ter um contacto físico a um nível bastante satisfatório e eventualmente carinhoso sem haver pressões para existir um "a seguir". Ou seja, metade das pressões que bloqueiam muitos contactos são neutralizadas à partida. nao tem de haver um "a seguir", não tem de haver sexo, não tem de haver um contacto posterior. Para isso há um conjunto de regras e um conjunto de pessoas (coachers) que verificam que as regras são cumpridas. Estes coachers não são policias, defini-los-ia mais como DJs ou barmen, pessoas que mantém uma festa a funcionar.
(alguém tem uma tradução decente para português do conceito? comentários?)

3 comments:

  1. é mesmo uma alternativa à monogamia, deixando de o ser...
    não acredito que acreditem que seja mais do que promiscuidade de nome enroladinho e desculpadinho.
    é a minha opinião...

    ReplyDelete
  2. Não me parece que isto chegue a ser uma alternativa à monogamia. Parece-me apenas uma forma de alargar as formas de sedução light permissíveis nas festas, num espírito de descontração e inconsequência.
    Acho inaudito que sejam necessárias regras e vigilâncias para acordar este tipo de trocas entre as pessoas, além de não me parecer necessário que existam este tipo de festas enquanto separadas de outro tipo de festas, e com tantas regras.
    Se querem ser mais afectuosos e mais sexuais sejam - mas não regulem tanto que perde a graça toda!:)

    ReplyDelete
  3. Sem duvida que nao serve a toda a gente. Nao serve a mim por exemplo. Mas o que é certo é que há dois tipos de pressao nas festas "normais", talvez antagonicas. Uma é a pressao frequente de ter de haver sexo ao fim de alguns beijos. Outra é a pressao de ter de haver um contacto, um "vamos amanha tomar café". é o contrario de se ser sexual na verdade, talvez me tenha explicado mal. Nao é uma alternativa á monogamia "per se" mas é uma solucao alternativa (ao paradoigma monogamico "ou arranjas uma pessoa ou ficas só") para quem procura alguma intimidade (nao necessariamente só fisica).

    Obrigada por lerem.

    ReplyDelete